Translate

terça-feira, 12 de abril de 2016

LIBERDADE #04: DESLIGUE-SE DE QUEM NÃO TE FAZ CRESCER!

Sua liberdade só começa quando você caminha aos seus objetivos junto com aqueles que te querem bem, te apoiam de verdade, e estão presentes nos piores momentos. Quando você se prende a pessoas negativas, sugadores de energia, pessoas que nem sabem o que querem de suas próprias vidas, cai no grande buraco negro de suas vidas, do qual dificilmente sairá sem um grande esforço emocional.
Infelizmente somos capazes de nos acostumar com as piores coisas. Dentre elas, pessoas que nos afundam na vida, pessoas que não te merecem, pessoas que abusam de sua boa vontade, de seu amor, de seu carinho, sua atenção. Por muitas vezes, nossa percepção falha, por conta dos sentimentos que nutrimos por estes indivíduos, faz-nos acreditar que estamos errados por querer nos afastar. Mas não está. É seu instinto de sobrevivência.
Você só começará a se valorizar se exigir que os que estão à sua volta também te valorizem na medida que sabe que merece! Ame-se e exija daqueles aos quais cuida e dá atenção o mesmo, não se contente com menos. Aguardar o amor e o carinho daquela(e) que nunca soube o que é reciprocidade é uma das piores formas de prender-se a alguém, e de jogar fora sua própria liberdade. Para ser livre você deve agir e sentir como alguém livre: aceite em sua vida apenas as pessoas que vão para o mesmo lugar que você, se sabe bem onde quer ir. Não perca seu tempo, sua vida, suas esperanças, sua energia com quem não se importa com seu crescimento, com o que está buscando.
segunda-feira, 11 de abril de 2016

LIBERDADE #03: ESQUEÇA O TEMPO, COMECE AGORA!

Não se prenda ao tempo! Não acredite que ele é um limitador às suas possibilidades de ser quem deseja ser. Faça o tempo trabalhar a seu favor! Nunca será tarde se você começar hoje, se começar AGORA!
Existe duas formas de vivenciar o tempo: o tempo Cronológico e o tempo Kairótico. 
O Cronológico (Cronus na Mitologia Grega) é um tempo feito de cortes, de interrupções, de inícios e fins delimitados... é o tempo que costumamos viver, que nos angustia pois quando nos aproximamos do final de uma etapa, não há perspectivas, a menos que estejamos preparando uma nova etapa. 
Já o tempo Kairótico (de Kairós, o Deus do tempo oportuno na Mitologia Grega) é um tempo vivenciado em ciclos, de começos e recomeços. É um tempo em que você sempre estará no início e fim de alguma etapa, de términos mas também de renascimentos constantes. Um tempo que merece ser vivido, pois é o seu tempo, aquele que você vivencia, no seu ritmo, não aquele imposto pelos ponteiros do relógio. 
Cada um tem sua frequência, seu rítmo, seu tempo. A sua vida dá o toque que deve dar à velocidade de seu tempo. É seu tempo Kairótico. É o tempo da natureza. 
domingo, 10 de abril de 2016

LIBERDADE #02: NÃO SE PRENDA À IMAGEM QUE CRIARAM DE VOCÊ!

Nossa liberdade deve ser conquistada, não é algo que nos seja dado de graça pela vida. E o segundo passo que deve ser dado para conquistá-la é assumir sua própria personalidade, que quase sempre é muito diferente da imagem que as pessoas fazem de você, e à qual se vê obrigado(a) diariamente a seguir para evitar conflitos, afastamentos, cobranças. 
A sociedade, nossos familiares, amigos, todos criam uma imagem de quem você é, para facilitar o modo de lidar contigo, e para prever seus próximos passos, sua forma de agir. É esta falsa percepção de previsibilidade que deixa as pessoas tranquilas a lidarem com você, acreditando que você é o que elas acham que é. Não importa, na realidade, para o mundo e para todos, quem você seja na realidade, desde que seja previsível, e possam lidar com você dentro dos limites que acreditam que você tem. E é nessa caixa de papelão que você encontra-se preso(a), impedindo-se de ser quem realmente é.
Se as pessoas acreditam que você é incapaz de falar um palavrão, você evitará falá-lo, mesmo que saiba que é capaz de fazê-lo. Se as pessoas acreditam que você não é bom musicista, provavelmente irá se furtar a aprender a tocar algum instrumento musical, porque, afinal, todos dizem que você não é bom nisso. Se as pessoas gostam do seu relatório no trabalho, você tenderá a congratular-se de ser bom neste tipo de serviço e poderá evitar aprender coisas novas nas quais elas não sabem (talvez você não) que seja tão bom ou melhor, somente porque não quer decepcioná-las.
O bom pai, a boa mãe, o bom irmão/irmã, o bom vizinho(a), o bom aluno(a)... são tidos assim pela sociedade dentro de um padrão estereotipado, previsível, e que evite ações que as façam pensar fora de seu MODELO MENTAL de como acham que as coisas sempre foram e sempre deveriam ser.
Seja você, seja diferente. Seja o que gostaria que fosse. 

"HAMLET, o ANTI-FACEBOOK, o PRIMEIRO HOMEM LIVRE!" - por LEANDRO KARNAL (UNICAMP)

Para o historiador Leandro Karnal (Unicamp), o mundo de artificialidades postado diariamente no facebook é um mundo destituído de consciência. Um mundo que não se conhece e se nega a envelhecer. “As dores que nós inventamos – familiares, financeiras – é o disfarce de uma dor maior. Uma dor não falada. Quando as pessoas começarão a ser e deixarão de não ser?”, questiona.
O  personagem fundador da modernidade é o príncipe Hamlet. Dono de seu destino, ele é o primeiro personagem que vive “O príncipe”, de Maquiavel. Tem a crença no poder do eu e na glória. É dele, e de mais ninguém, o poder de se proclamar e a decisão de não se matar.
Hamlet é, sobretudo, um grande crítico da retórica da etiqueta, dos personagens que interpretam o tempo todo e que sempre dizem apenas o que deve ser dito. Para o professor de história da Unicamp Leandro Karnal, o personagem era um grande crítico da sociedade contemporânea.
“Hamlet é o anti-facebook. Ele não só não é feliz como não faz questão de parecer feliz. Hamlet é melancólico. Tem uma consciência brutal. E quem tem consciência brutal não sorri nem compartilha sua vida medíocre o tempo todo”, disse o historiador. (confira o vídeo).
sábado, 9 de abril de 2016

21 PASSOS PARA A LIBERDADE - #01: NÃO MINTA: A VERDADE LIBERTA!

Hoje começamos uma nova série de postagens: 21 passos até sua LIBERDADE! Todos estamos presos, a diversas coisas, e a nós mesmos. Estamos presos a relacionamentos destrutivos, a pessoas ácidas, a vícios e hábitos ruins, à mentira, à falsidade... tudo que nos prende acaba impedindo que nosso verdadeiro "eu" aflore. Impede que sejamos nós mesmos, impede que possamos ir buscar nossos sonhos, que possamos buscar nossa felicidade, cumprir nossa missão no mundo. Tudo que nos impede de viver, em vez de apenas SOBREVIVER! Tenho certeza que você não quer apenas sobreviver, não é? Ou quer viver a vida que outros desenharam para você? Creio que não. Mas saiba que ninguém pode tirar sua liberdade! E ao longo destas 21 postagens iremos explicar como ser alguém livre! Livre de todos, de tudo, e de si mesmo! Livre para ser você mesmo(a). Livre para buscar sua felicidade! Livre para viver como você escolheu viver!
Para ser livre, você precisa se livrar das amarras da MENTIRA! Não minta, e não tolere mentiras. Em primeiro lugar, não minta! Não se pode exigir o que não se dá. Dê a verdade para exigir a verdade dos outros.
Toda mentira cresce e se prende ao mentiroso, engessando-o, sugando-lhe aos poucos sua honra, sua confiabilidade, sua imagem, seu caráter. Quem possui caráter não mente, pois são coisas totalmente incompatíveis: por pior e mais dolorosa que seja a verdade, sempre se encontra um meio de trazê-la à luz, com benefícios muito maiores que a mais bem intencionada das mentiras.
A mentira é uma tentativa de enganar, subjugar a realidade e o verdadeiro. É um modo de "passar a perna" nos outros, tentar levar vantagem sobre o jeito correto com que tudo deveria ter sido feito. Isto acaba impedindo ou atrapalhando o desenrolar natural da vida e das coisas. É antinatural. Mentir é distorcer o fluxo natural da energia da vida! 
Minta e automaticamente estará preso à mentira. Mantenha a mentira viva, alimente-a, e deixará assim ela realizar sua metástase até atingir todas as áreas de sua vida. A mentira te prende no passado, te amarra nos piores sentimentos, te segura às piores pessoas. A verdade te deixa livre para procurar o novo. A verdade te liberta!
sábado, 19 de março de 2016

PSICOPATAS E SOCIOPATAS: DIFERENÇAS, OS PERIGOS E COMO IDENTIFICAR


Um psicopata já nasce com um temperamento bem delineado: é impulsivo, possui ausência de medo que leva a comportamentos que buscam o risco e, principalmente, possuem uma grande inabilidade de internalizar as normas sociais. Um sociopata possui um temperamento próximo ao do indivíduo comum, sendo a sua doença causada mais por fatores negativos na socialização tais como negligência dos pais, pobreza extrema. Um sociopata pode ter QI (quociente de inteligência) extremamente alto ou extremamente baixo.
O que aproxima as duas doenças mentais é que ambas são desordens de personalidade antissocial, e podem resultar em atos de violência que podem ser terríveis como assassinatos com requinte de crueldade. 
Em geral, psicopatas vivem alheios à sociedade, pois são desorganizados mentalmente e incapazes de manter um relacionamento estável com qualquer um, seja família, amigos ou colegas de trabalho. Ao contrário dos psicopatas, os sociopatas apresentam-se como normais e estáveis em seus relacionamentos, e não é raro terem relações que são simbióticas ou parasitárias. Um sociopata, deste modo, parecerá aos outros ter uma vida comum, misturando-se à sociedade. De fato, eles podem ser muito charmosos. 
Dadas as características acima, podemos ver que os psicopatas dificilmente conseguirão manter estabilidade em sua carreira profissional. Os sociopatas, ao contrário, conseguirão ser bem sucedidos e vão tentar fazer com que os outros gostem e confiem neles. A diferença, neste quesito, reside no fato de que os psicopatas não possuem emoções como as pessoas normais (em virtude de uma função anômala na região do sistema límbico, responsável pelas emoções e empatia). Os sociopatas também são incapazes de sentir as emoções como um indivíduo comum, porém, ele consegue entender o seu sentido, o que um psicopata não consegue. 
domingo, 13 de março de 2016

A ETAPA SEGUINTE À ESCOLHA CONSCIENTE: A MUDANÇA PERCEPTIVA NA EVOLUÇÃO GRADUAL DA CONSCIÊNCIA

"A história da origem da consciência", obra do autor Neojunguiano Erich Neumann aborda, através da antropologia, história e psicologia, os diversos degraus pelos quais a mente humana passou historicamente e cada um revivemos, individualmente, desde o nosso nascimento. A grande questão é que há grandes diferenças entre a evolução individual das pessoas, afetando sua percepção individual e levando a contrastes gigantescos entre o nível de consciência de alguns, frente ao nível de outros. Infelizmente os estudos de psicologia sofrem, em grande maioria, de um grande tabu retórico da sociedade moderna: a de que somos todos iguais, e estudar as diferenças psicológicas entre as pessoas pode contribuir à aumentar os contrastes sociais nos quais já vivemos. Infeliz prática retórica, aceita consciente ou inconscientemente por grande maioria das pessoas que, entretanto, não negam os efeitos, apesar de desconhecerem as causas deste problema: sociedade individualista, voltada ao prazer e alheia aos sacrifícios naturais e esperados de uma evolução e desenvolvimento psicológicos.
A partir deste ponto, sabemos que um dos primeiros grandes passos, conforme diversas postagens já feitas aqui no Psicologia.med.br, é a da escolha consciente: é saber o que se está deixando de lado para se buscar algo que se priorizou. Hoje, iremos falar além deste ponto: a dor da perda do que se deixou de lado na escolha consciente, e a regressão que acomete muitos nesta fase pós escolha, bloqueando o desenvolvimento de sua consciência.