Translate

terça-feira, 12 de junho de 2018

DIA DOS NAMORADOS, DO AMOR, DOS AMANTES

Feliz dia dos namorados... apesar de todo invólucro comercial que a data traz consigo, que bom que ainda temos datas em que a emoção aflora, em que podemos exaltar o que mais nos enobrece como humanos... os sentimentos, especialmente o amor.
Claro que devemos amar não apenas hoje, mas todos os demais 364 dias do ano... claro que o que vale não é o valor do presente mas a forma e a intenção... talvez nem tenha presente... mas se é amor, estar junto é o maior presente que se pode ter.
Quantos e quantos amores estão a quilômetros de distância e só se veem e conversam por alguns poucos momentos na semana, no mês, no ano... nem por isso deixam de se amar. Mas afinal, porque sendo tão racionais, ainda amamos? Talvez não seja tão difícil responder... amamos porque nossa essência quer estar junto, quer compartilhar, quer confiar. O ser humano é bom na sua essência, e o amor é a maior prova disso. Quantas pessoas se odiavam tanto no começo, e esta raiva mútua serviu de laço para atrair a atenção um para o outro. Sim, devemos comemorar que ainda amamos. Ainda passamos a noite a olhar as estrelas acreditando que nosso amor está, onde estiver, fazendo o mesmo e pensando em nós. Ainda podemos acreditar que há um amor que nos corresponda, que estará do nosso lado e fará de tudo para continuar ali, passo a passo, andando junto, construindo junto, tolerando nossos defeitos e ensinando-nos a tolerar os do outro. Que bom que ainda podemos amar.
Se acabou, não era amor. Nunca foi. Pois o amor não acaba. Não é uma chama que começa, queima e se esvanece... não. O amor é a chama mais forte que pode arder no universo... e mesmo quando bem pequena, é capaz de fazer-nos mover montanhas, suportar os maiores desafios, ter esperança no amanhã... porque o outro também crê... também ama.
segunda-feira, 11 de junho de 2018

NARCISISMO E DEPRESSÃO - CAFÉ FILOSÓFICO - PSICANALISTA TERESA PINHEIRO

A internet mudou nossa relação com o tempo, com o espaço e o conhecimento. Depois dela já não existe longe, não existe depois. A necessidade de superexposição talvez seja o sintoma que nos denuncia. “Ser ou ser” parece que não é mais a questão existencial dos nossos dias; em seu lugar: parecer ou não parecer? Se somos filhos de uma época que nos deixa cada vez mais dependentes do olhar do outro, ao mesmo tempo parece que estamos cada vez mais aprisionados em nós mesmos. Existe antídoto? O que está nos faltando na contemporaneidade?
Café Filosófico com a Psicanalista Teresa Pinheiro.
domingo, 10 de junho de 2018

PESSOA INSEGURA #06: PERSONALIDADE RASA

Não tente encontrar um oceano profundo onde só passa um córrego. Apesar da aparência (muito bem cuidada e disfarçada, diga-se de passagem) a pessoa insegura não é marcada pela profundidade de suas idéias e sentimentos, tampouco pela força de seus ideais. Estes últimos são tão voláteis que não passam no primeiro teste de aplicabilidade, quando a vida lhe exigir que pratique o que tanto apregoa. Por ser insegura, a pessoa cria uma personagem a qual tenta ao máximo dar vida, às custas de onde estaria sua própria personalidade: autoelogios em excesso (afinal precisa tentar fazer crer, ao máximo, que esta sua personagem é uma ótima pessoa, melhor que quem realmente ela sabe que realmente é), ausência de defeitos (afinal os defeitos estão nas outras pessoas, não na sua personagem); e histórias, muitas histórias, até mesmo aquelas que nunca existiram nem existirão. Posta fotos de lugares onde nunca esteve. Inventa histórias de sua vida que nunca aconteceram. Diz conhecer pessoas que nunca nem chegou perto. Diz ser amada por gente que quer vê-la distante. 
Já as idéias que apresenta, especialmente em suas mídias sociais, são cuidadosamente selecionadas para tentar atrair a atenção e popularidade. Mas basta analisá-las em conjunto que verá algo bem comum de acontecer nas pessoas inseguras: são idéias contraditórias. Como a pessoa insegura tenta vender a imagem de alguém popular e amistoso, agrega à casca que chama de personalidade, todo tipo de idéias que parecem atrair a atenção positivamente para ela... mas que não são congruentes no conjunto: verá, por exemplo, postagens de diversos tipos de regimes de emagrecimento ao lado de fotos de fast foods e todo tipo de alimento hipercalórico. Verá postagens de vida saudável, ao lado de outras em que o inseguro fuma um cigarro ou exagera na bebida alcoólica em uma festa. Verá postagens falando de autoequilíbrio, de paz interior, de calma, ao lado de outras com xingamentos, indiretas, críticas ácidas, intolerância... 

PESSOA INSEGURA #05: NARCISISMO

O narcisismo é a incapacidade da pessoa focar algo além de si própria. Tudo o que importa, em primeiro lugar, segundo e terceiro... é a própria pessoa, e nada mais. Há casos em que a mãe / pai projeta seu narcisismo em uma filha / filho, mas não se iluda: nada mais é que a sua auto-imagem projetada: não consegue ver na criança nada além de sua imagem menor... e tenta viver através do seu filho/a tudo que acredita não ter vivido em sua infância, mas as custas da personalidade e individualidade do pequeno ser que não tem a capacidade ainda de defender-se deste parasitismo, que gerará graves efeitos na sua personalidade no futuro...
Mas por que a pessoa muito insegura apresenta alto grau de narcisismo? Vamos responder, pensando também no que dissemos nos posts anteriores, para ficar mais fácil de entender. O narcisismo tem sua origem no que chamamos de "ferida narcisística": é uma situação / fato (seja ilusório ou não), pré-consciente, que marcou a vida da pessoa insegura desde sua infância, e que a fez fechar-se ao mundo ao seu redor. E por quê fechou-se? Por medo, insegurança. Insegurança esta que levou à fase adulta. 
Em um desenvolvimento normal, todos passamos por traumas na infância, adolescência... a própria vida naturalmente traz obstáculos e desafios... coisas novas que, para uma criança em uma fase pré-verbal, de formação de seu consciente (onde reside o seu ego - personalidade própria), são encaradas pela mesma como traumatizantes... estes pequenos traumas vão moldando o ego, sua individualidade... que deverá estar formada ao final da adolescência...
O que acontece é que, alguns indivíduos não conseguem se recuperar e superar algum destes traumas da infância (seja por hiper sensibilidade, ou porque realmente aconteceu algo que o marcou para sempre)... e fecham-se. Passam a preocupar-se e temer a tudo... e por isso, tornam-se egoístas e incapazes de ter empatia pelo que acontece com quem está a sua volta. O inseguro em excesso é um narcisista, ou de fato ou potencial, porque, por ter medo de sair de seu casulo emocional, por ter medo de mostrar-se como realmente é sem agressividade, sem um comportamento de luta/fuga (típico de reações emocionais), prefere viver em um mundo fechado, em que acredita que o que há fora te machucará. E é por esta razão que o mundo "externo"do inseguro narcisista só serve, para ele, para render-lhe graças, senão volta-se a fechar em sua caverna subterrânea e obscura. 
Seu pensamento é: saio da caverna para colher o que puder, e volto a me fechar antes que alguém me cobre algo ou me machuque. É um parasita social e emocional em sua essência: não consegue ter relação social, emocional ou amorosa saudável com ninguém, pois aos primeiros pensamentos de que algo dará errado, sua insegurança fará atacar, recolher tudo que conseguir recolher e fugir até sua toca, como um bicho fugindo de um predador.
sexta-feira, 8 de junho de 2018

PESSOA INSEGURA #04: PIADAS E DEPRESSÃO

Muito já foi divulgado sobre a ligação entre pessoas ligadas à comédia com a depressão. Robbin Willians foi o caso mais recente, que inclusive resultou em seu suicídio. Mas pouco se fala sobre o terceiro item do tripé: o excesso de insegurança. Juntos: insegurança em excesso e uma prolongada e profunda depressão podem fazer com que, como mecanismo de defesa, a pessoa desenvolva uma máscara social (que chamamos de persona, em psicologia analítica) fundamentada na comédia, humor e piadas estereotipadas. É este mecanismo que iremos explicar hoje.
Aparentemente seria uma incongruência: de um lado a pessoa é extremamente depressiva e insegura... e de outro apresenta-se contando piadas sobre tudo, fazendo comédia do começo ao fim do dia... mas esta incongruência desaparece quando começamos a encarar seu lado cômico como defesa, para esconder sua verdadeira personalidade, sua mente perturbada e sua visão distorcida das coisas...
Primeiro separe as pessoas que são naturalmente cômicas e engraçadas, das inseguras que usam este mecanismo como proteção: nas primeiras, as piadas são mais suaves, naturais... estas pessoas não tem mudanças bruscas de temperamento... suas piadas e manifestações cômicas não são ácidas nem estereotipadas. Muito do seu lado cômico aparece algumas vezes de maneira tão inteligente que por vezes seu interlocutor precisa se esforçar um pouco para perceber se estava falando sério ou brincando... noutras a piada é tão inocente e sensível que pela delicadeza de sua visão chega a ter um toque filosófico.
Já o uso da comédia de maneira defensiva se faz de maneira estereotipada: piadas constantes, num grau proporcional à insegurança da pessoa. Ao contrário da pessoa autoconfiante, o inseguro não sente a receptividade de suas piadas pelos seus interlocutores: ele as despeja, pois suas duas únicas intenções são: tirar o foco do interlocutor de sua verdadeira personalidade (tentando impedi-lo de decifrar suas incongruências internas), e tentar controlá-lo através do riso (fazendo a pessoa rir, acredita que impede que a pessoa lhe "ataque"ou a "julgue"). Parece exagero, mas é assim que funciona a mente de uma pessoa insegura: acredita que será atacada, então procura atacar a outra parte ou desviar sua atenção.
quinta-feira, 7 de junho de 2018

PESSOA INSEGURA #03: SURTOS DE RAIVA E DE VITIMIZAÇÃO

Se conhecermos um pouco do comportamento de crianças, em especial na fase pré-escolar e início da fase escolar (antes de sua socialização e de seu contato com as primeiras normas sociais), conheceremos também esta característica muito comum em pessoas extremamente inseguras. A criança não costuma admitir culpa ou aceitar contrariedades. Demonstra sua discordância não com palavras, mas com a expressão direta de seus sentimentos, sem medir as conseqüências ou impacto nas pessoas à sua volta: ao ser contrariada ou apresenta ataques de raiva ou tenta demonstrar-se vítima. Você já deve ter visto crianças chorando alto nos corredores do supermercado ao lado de mães envergonhadas com o "escândalo" provocado apenas porque ela não irá comprar o que a criança "exige"... ou mesmo, na rua, crianças gritando com seus pais ou com os outros irmãos por não quererem dividir algo... é exatamente este comportamento da pessoa insegura quando contrariada, mas que age de maneira mais refinada, por dominar a palavra, o discurso...
Como salientamos rapidamente nos posts anteriores, a pessoa muito insegura sabe que pelos meios normais não conseguirá o que quer, então apela para chantagens emocionais, seja tentando impor sua versão da história despejando sua raiva sobre quem estiver mais próximo, ou tentando parecer vítima de alguma situação criada por ela mesma. Para isto as redes sociais se tornaram excelente ferramenta de amplificação. A pessoa insegura então apresenta-se como vítima das pessoas que não agem como ela gostaria que agissem. Também mostra toda sua "indignação"contra a "injustiça"que se apresenta através das "exigências"que o mundo cruel e as pessoas fazem dela. 
quarta-feira, 6 de junho de 2018

PESSOA INSEGURA #02: ARROGÂNCIA

A segunda marca da pessoa altamente insegura é sua total falta de humildade. Como forma inconsciente de compensação da baixa auto-estima e péssima imagem que ela tem de si mesma, precisa tentar se impor sobre pessoas que estão próximas, notadamente aquelas que estão desprovidas de defesa: as que mais tentam protegê-la. Humilhar, mentir, ignorar, usar os relacionamentos por interesse... essas são algumas das marcas da arrogância na pessoa insegura. Ela sente a necessidade de parecer mais "esperta", "malandra" que as demais, para esconder sua fraquezas que, erroneamente, acredita que a diminuem. Na realidade, tenta esconder suas fraquezas de si mesma, pois quer realmente acreditar que é superior às demais pessoas. Eis seu grande erro. Quer esconder seus defeitos pois não quer ter o trabalho de auto-desenvolver-se. É mais fácil humilhar o outro que tentar melhorar a si mesmo. É mais fácil pisar nos sonhos das outras pessoas e tirar proveito disso, que dividir seus sonhos com elas, sacrificando um pouco de si para construir algo conjunto e muito maior.
Pedir desculpas, perdão pelos erros cometidos, fazer uma autoanálise de onde errou, esqueça: não são atitudes de uma pessoa altamente insegura. Ela prefere criar em sua mente uma história do que ocorreu, onde coloca suas vítimas como sendo os culpados pelas conseqüências dos danos que ela mesma causou. Ela mente, inventa, cria situações que estão apenas em sua mente, pois sua insegurança é tamanha que não é capaz de lidar com a realidade: de que é uma pessoa fraca e incapaz de melhorar a si mesma, e que muitas vezes age como a mais mal caráter e covarde das pessoas, para depois tentar aparecer de inocente e vítima, apontando o dedo para quem foi seu alvo.

Tentar se mostrar superior é uma forma de tentar esconder o quanto é inferior, em termos de empatia, sentimentos e principalmente de atitude. A pessoa insegura não quer que a vejam como realmente é, e como não sabe desenvolver suas virtudes (ou acredita que não os tem), prefere impor-se sobre os outros, ignorando totalmente que as demais pessoas tem os mesmos direitos que ela.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...