Translate

terça-feira, 22 de abril de 2014

Dica 21 – enxergue através do ‘Véu de Maya’

Pare de fazer as mesmas coisas de novo e de novo sem uma pausa. A hora certa de respirar profundamente é quando você não tem tempo pra isso. Se continuar insistindo no que está fazendo, você vai continuar obtendo o mesmo resultado. Às vezes, você precisa se distanciar um pouco para ver as coisas mais claramente. Há momentos em que percebemos que nada está saindo como planejamos, ou que nada muda, nada melhora! Então é hora de reavaliar os planos. Talvez você esteja no que os hindus chamam de ‘Véu de Maya’. Ou, para os cinéfilos de plantão, o mesmo que ‘Matrix’. 
Imagine o nosso mundo como uma imensa fila indiana. Todas as pessoas alinhadas numa direção, andando no deserto (que é o espaço infinito). Ora, o deserto se estende por todas as direções, mas a fila só segue por aquele estreito caminho, pois as pessoas usam tapa-olhos, como os burros de carga. Se por acaso uma pessoa resolve sair numa diagonal ou perpendicular dessa fila, as outras diriam que ela sumiu bem na sua frente, enquanto na verdade ela pode estar bem do lado, o tempo todo. É assim que se dá a aparição (e sumiço) dos "fantasmas".
O tapa-olhos seria o véu de Maya, nome dado pelos Hindus para a nossa realidade, que é apenas uma distração sensorial, uma teia de aranha, que ao mesmo tempo em que esconde, revela. Algumas poucas pessoas conseguem notar algo além do véu, mas nem sempre claramente, como uma pessoa que tenta olhar o mundo através de óculos embaçados.
Você precisa enxergar fora da caixa (já dizia um querido professor meu há dez anos). Enquanto correr em círculos, não perceberá o quão fora da rota original você está, nem quanto tempo já perdeu. Estará atuando no complexo: os mesmos sentimentos, os mesmos sacrifícios, porém um gradual aumento da ‘desesperança’. Dentro do círculo há uma espécie de buraco negro de sua energia vital: a cada volta no círculo, uma parte de sua energia se esvanece e alimenta o próprio círculo, dificultando ainda mais sua saída dele.  Não pense que porque você faz o que todos à sua volta estão fazendo, esteja tudo bem, e você estará certo. Guiar-se pelos outros é o mesmo que a história do burro de carga acima: pode ser que você esteja sendo guiado na mesma fila de uma sequencia de burros! E bastaria olhar ao lado ou sair desta fila para perceber que você está andando em círculos e não sai do lugar. Pense nisso! Não se exima da responsabilidade que você tem sobre seu próprio futuro!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...